2.

Mentoria Executiva

Mentoria é uma forma muito antiga de aprendizado. Na Odisseia de Homero, Odisseu confia seu filho a Mentor, um amigo de infância, antes de embarcar em sua jornada. Mentor atua como guia e conselheiro do filho de Ulisses durante sua longa ausência.

Hoje, a mentoria está voltada para questões de integração profissional e perseverança, por exemplo:  para profissões com baixas taxas de retenção de novos funcionários.

 

A necessidade de ser apoiada nesses primeiros momentos de trabalho afeta principalmente o comprometimento do “mentee”. O desenvolvimento da autoconfiança, através da apropriação de conhecimento, assessoria e apoio, será um resultado que promoverá a retenção do “mentee”. Entre os efeitos benéficos da mentoria profissional para o “mentee”, temos o acesso à rede social e profissional do mentor, aquisição de conhecimento e know-how, aumento das chances de promoção e obtenção de um modelo. 

 

Há também benefícios para o mentor: o sentimento de servir a organização de forma altruísta, reconhecimento profissional, senso de utilidade e senso de realização diante dos sucessos de seu protegido. No geral, destaca-se para ambos os parceiros um aumento da produtividade, uma melhor compreensão dos mecanismos de avaliação, a descoberta de talentos ocultos, o refinamento das qualidades de liderança e uma melhor taxa de recrutamento e retenção de pessoal altamente qualificado.

 

A mentoria de empreendedores pode ser incluída como forma de mentoria profissional. Mais de 63% dos casos de falência ocorrem durante os primeiros cinco anos de operação. Os novos empreendedores muitas vezes carecem de habilidades de experiência e gestão, o que contribui para o alto nível de fracasso dos negócios. Novos empreendedores se sentem isolados e sem experiência de gestão e muitas vezes precisam conversar com alguém que possa ajudá-los a ter um olhar neutro e destacado para o negócio.

 

A mentoria é, portanto, uma relação que se estabelece informal ou formalmente (como parte de um programa formal) entre duas pessoas. Por outro lado, na organização, as relações formais são encontradas com mais frequência nas organizações do que nas relações informais. Isso se deve possivelmente à necessidade de as organizações garantirem que a cultura da organização seja perpetuada. A falta de estrutura na combinação em pareamento informal não parece produzir o número de mentores e protegidos para atender às necessidades organizacionais.

 

Geralmente, o mentor é mais velho e mais experiente, enquanto o ““mentee”” começa sua carreira. O objetivo do mentor é compartilhar seu conhecimento, sua experiência, suas conquistas, a sabedoria de sua experiência com a pessoa menos experiente. A mentoria também é útil quando um ““mentee”” visa desenvolver suas habilidades para uma posição de gestão. Este ““mentee”” pode ser experimentado em um determinado campo, mas precisará da contribuição de um mentor para desenvolver habilidades relacionadas à carreira gerencial.

O que distingue a mentoria de empreendedores da mentoria organizacional profissional, é que o mentor é quase sempre uma pessoa que não tem nenhuma conexão comercial com o negócio do ““mentee””.

 

Em programas formais de mentoria, o objetivo é o desenvolvimento de carreira, sua integração profissional e o desenvolvimento de habilidades úteis para o desempenho de suas funções. Tudo isso deve ser feito em uma estrutura flexível que dê latitude na relação entre as duas pessoas.

 

No contexto de mentoria dos empreendedores, o aprendizado exigido pelo “mentee” pode estar "relacionado a atitudes e comportamentos (autoconfiança, preocupações, tomada de decisão, etc.), ao próprio negócio (plano de ação, marketing, desempenho, etc.) ou às relações comerciais (networking, acesso à informação, etc...).